Coração magoado, ave nua

Que voas sem saber por onde vais

Amas quem não te amará jamais

Triste fado, triste vida a tua

Passo só e triste pela rua

Choro e finjo cada vez mais

Alegria, sorte, por onde andais?

Que me deixas nesta vida crua

Aonde eu vá, só a saudade

E a inseparavel tristeza

Me acompanham com crueldade

Me escondo entre a natureza

E lá encontro a piedade

Entre os animais, entre a fereza

                                                                                                     Maria do Carmo               12 Outubro de 1988